Recife – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve ontem pela manhã no Palácio do Campo das Princesas, no velório do presidente do Partido Socialista Brasileiro e ex-governador Miguel Arraes. Ele morreu sábado, aos 88 anos, depois de 57 dias de internação. Lula, que ficou cerca de 1h15 no local, teve rápido encontro com o prefeito de São Paulo, José Serra, e o governador paulista, Geraldo Alckmin, em sala próxima ao saguão de entrada do palácio onde estava o corpo. Trocaram apenas cumprimentos.

Ao chegar, Lula foi aplaudido pelos populares que faziam fila para se despedir do homem que virou mito ao defender causas sociais. Os tucanos, vaiados pela multidão, reivindicaram a marca da coerência e da luta por justiça social do último dirigente popular brasileiro cassado pelo golpe de 1964.

Quando o presidente chegou ao palácio, às 9h45, a multidão cantava a versão adaptada de uma música da campanha de Arraes ao governo do Estado em 1986. ?O povo chora por aquele que fez mais/ Arraes, Arraes, Arraes/Lá no céu só vai dar Arraes?. Ao verem o presidente, os populares mudaram para ?Olê, olê, olá, Lula, Lula?.

Despedida

O presidente ficou dez minutos em frente ao corpo de Arraes. Com olhos marejados, Lula chegou a dar leves toques no vidro do caixão, que estava coberto com as bandeiras de Pernambuco e do Brasil. Uma imagem de padre Cícero, santo popular do Ceará, estado onde nasceu Arraes, foi colocada sobre o caixão.

Das mais de 70 coroas de flores enviadas à família do ex-governador, destacavam-se as flores brancas oferecidas pela primeira-dama Marisa Letícia e Lula e as vermelhas, enviadas pelo presidente de Cuba, Fidel Castro. O ditador cubano mandou mensagem destacando que Arraes foi valente ao lutar pelos humildes.

Lula deixou o Campo das Princesas às 11h. Os tucanos saíram do palácio por volta de 12h30. Nenhum deles ficou para ver um idoso que, ao se aproximar do caixão de Arraes, gritou: ?Pernambuco está lascado. Não tem mais homem macho para brigar pela democracia como Arraes?.