Rio de Janeiro

  -Uma platéia de 150 pessoas assistirá ao único debate do segundo turno entre os candidatos à Presidência da República, José Serra (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), amanhã, no estúdio da Central Globo de Produção, em Jacarepaguá, na zona oeste do Rio de Janeiro. Ao contrário do primeiro turno, quando os candidatos ficaram sozinhos com o mediador, William Bonner, durante o confronto, desta vez cada um terá direito a levar 15 pessoas, além dos dez assessores credenciados. As Organizações Globo terão outros 50 convidados.

No estúdio em forma de arena, estarão também 50 eleitores indecisos. Serão eles os autores das perguntas para Lula e Serra. Não haverá embate direto entre os adversários, que só responderão a perguntas dos eleitores ou pedidos de esclarecimento do mediador. Um não questionará o outro.

Inspirado no debate entre os candidatos à presidência dos Estados Unidos, George W. Bush e Al Gore, o único confronto do qual Lula aceitou participar nesta segunda etapa terá os dois candidatos em pé, podendo circular no palco. Os assessores dos candidatos viram um vídeo e leram a transcrição do confronto americano. Concluíram que é um debate de “aproveitamento de oportunidades”.

Boatos irritam petista

Belém (PA)

e Fortaleza (CE) (AG) – As notícias sobre nomes de “ministeriáveis” de um eventual governo do PT levaram o candidato Luiz Inácio Lula da Silva a reagir, avisando que só depois de dois dias de descanso irá costurar as articulações para fechar sua equipe. Em Belém, Lula mostrou estar profundamente incomodado com as especulações sobre seus possíveis ministros, apesar de ter revelado que já tem os nomes dos integrantes de seu governo na cabeça. E avisou: seus ministros terão que cumprir metas. Depois de determinado tempo, se não cumprirem tais metas, ele tira e põe outro no lugar.

– Quem quiser queimar um inimigo é só colocar o nome dele no jornal como meu futuro ministro – afirmou o candidato petista.

Lula fez esse desabafo na noite de ontem, em Belém, após um comício que reuniu cerca de 100 mil pessoas na capital paraense. Mesmo a publicação dos nomes que são dados como certos na composição de sua equipe de governo – casos de José Dirceu, Antônio Palocci, Luiz Gushiken e Luiz Dulci – irrita o candidato do PT, favorito na sucessão de Fernando Henrique Cardoso. Numa roda com aliados, em Belém, Lula disse que está com os nomes na cabeça, mas quer dois dias de descanso antes de fechar a equipe.

– Estou cheio de idéias, mas não estou conversando com ninguém ainda. Isso, agora, dispersa energia – disse Lula.

No comício em Belém, que aconteceu no bairro da Pedreira, na periferia da cidade, Lula disse que para governar é preciso saber escolher bem os integrantes de sua equipe. No seu discurso, ele aconselhou a candidata do PT ao governo do Pará, a promotora Maria do Carmo, que lidera as pesquisas na disputa contra o tucano Simão Jatene (PSDB), a indicar os melhores nomes. Lula comparou a formação da equipe de governo com a seleção brasileira de futebol, pentacampeã na Copa do Mundo da Ásia.

– O Felipão (técnico) foi um jogador apenas meia-boca, mas conseguiu montar uma grande equipe e conquistar o pentacampeonato – disse.

Mais tarde, em Fortaleza, com discurso de candidato eleito, Lula prometeu que, tão logo anuncie sua equipe de governo, um de seus primeiros atos será embarcar os ministros num avião para a região Nordeste para que saibam dos problemas nacionais.

– A coisa mais extraordinária que eu vou fazer, na hora que eu indicar o ministério: minha primeira atitude vai ser colocar os ministros mum avião, porque quero que meus ministros conheçam a fome no semi-árido brasileiro – disse Lula.