Brasília – Longe do Brasil no dia da votação do salário mínimo, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva inicia amanhã uma maratona de dois dias em Nova York, à frente de uma comitiva de nove ministros, com o objetivo de atrair investimentos para o País. Em seminário promovido pelo governo brasileiro no elegante hotel Waldorf Astoria, Lula falará para uma platéia de aproximadamente 450 empresários dos Estados Unidos, México e Venezuela. Quer acabar com temores que considera fruto de desinformação, garantindo que a economia já mostra sinais consistentes de crescimento. Mas não é só: na quinta-feira, o presidente será o principal orador da reunião do Global Compact, na Organização das Nações Unidas (ONU). No discurso, enfatizará a importância de atrair recursos de empresas com “responsabilidade social”.

Nos últimos tempos, o Brasil tem assistido a uma onda de “desinvestimento”, motivada principalmente pela insegurança de companhias internacionais em relação ao mercado.

Mas tempos melhores parecem estar próximos. Ouvindo 500 executivos de vários países, o relatório “Perspectivas de Investimentos Mundiais”, do Economist Intelligence Unit, indica que Brasil e México continuarão a ser os países estrangeiros mais beneficiados neste ano.