No Auditório Nereu Ramos, da Câmara, o candidato da Coligação Lula Presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT-PL-PC do B-PCB-PMN), prometerá amanhã (23) criar 10 milhões de empregos em quatro anos, além de manter os atuais. A declaração fará parte do discurso de lançamento do programa de governo.

Para tanto, Lula dirá, numa fala anunciada pela equipe como de ?grande impacto?, que a proposta a redução da carga horária de 44 para 40 horas semanais será uma das formas de criar novos postos de trabalho.

A intenção dos coordenadores da Coligação Lula Presidente é transformar a cerimônia numa festa. Foram convidados os governadores do Rio, Benedita da Silva (PT), do Rio Grande do Sul, Olívio Dutra (PT), do Amapá, Dalva Figueiredo (PT), e do Acre, Jorge Viana (PT) – os quatro do partido -, prefeitos de capitais, deputados, senadores, candidatos e presidentes das legendas coligadas. O discurso do candidato da Coligação Lula Presidente será centralizado no caderno temático ?Mais e melhores empregos?, o primeiro a ser divulgado entre os que subsidiarão o projeto de governo.

Lula dirá que o desemprego no Brasil atingiu números alarmantes. Somente no Estado de São Paulo, são quase 2 milhões de desempregados.

O candidato da coligação afirmará ainda que a política econômica do governo do presidente Fernando Henrique Cardoso nunca teve a geração de empregos como compromisso efetivo. Pelo contrário, acrescentará Lula, nestes quase oito anos, foi sempre caracterizada por uma macroeconomia do desemprego.

Tudo, dirá o candidato, porque o governo manteve as taxas de juros reais em níveis brutais durante anos – e ainda as sustenta -, tornando inviáveis os setores produtivos, investimentos e empregos.