No centro da caótica cidade de Lagos, um visto para o Brasil é vendido ilegalmente por US$ 2.500, para permitir aos nigerianos escapar do controle da polícia e entrar em um avião ilegalmente. O Estado apurou que a fraude já preocupa até a Interpol, que neste ano deteve uma quadrilha de falsificadores e traficantes na África. Mas os problemas não param. O Consulado do Brasil em Lagos aponta: de cada dez vistos pedidos, sete são negados, por causa de documentos falsos.

As autoridades brasileiras estão preocupadas principalmente com as rotas do crime entre os dois países do Atlântico. Segundo o Escritório das Nações Unidas para Combate ao Tráfico de Drogas, em Viena, muitos grupos de nigerianos atuam fora do país, diante da repressão do governo de Abuja. ´O resultado é a transferência de máfias para outros países´, afirmou uma funcionária da ONU.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo