Brasília – Depois de se reunir com o ministro Jaques Wagner (Relações Institucionais), o presidente nacional do PT, Tarso Genro, disse que sua desistência da candidatura à presidência do partido nas eleições internas de setembro significa que a corrente majoritária escolheu um modelo de transição "mais lento e difícil" de renovação do partido.

Tarso argumentou que, por isso, nesse momento, é "irrelevante" se o ex-ministro José Dirceu irá ou não permanecer na chapa do Campo Majoritário, a corrente que controla o partido. Ele negou que tenha feito uma queda- de-braço com Dirceu, apesar de ter desistido da disputa justamente pela decisão de Dirceu de permanecer na chapa.

"A maioria, que ainda tem o controle, escolheu uma forma de transição que é uma forma de transição negociada com o pacto dirigente anterior. É um caminho mais demorado, mais longo, mais difícil e mais complicado no relacionamento do partido com a sociedade", disse Tarso, ao sair do Palácio do Planalto, negando que esse caminho signifique uma tragédia ou uma liquidação do partido.

Tarso disse ainda que ele e Dirceu "prestaram um grande serviço do PT". "Ao fazer esse debate e deixar de maneira transparente para a militância duas visões de partido, duas visões de transição e duas visões de responsabilidade política que os dirigentes têm sobre essa situação difícil – política e moral – que o partido está atravessando. Sem que haja essa catarse não haverá uma reconstrução, muito menos uma refundação do PT", disse. Sobre uma saída de outros petistas da chapa do Campo Majoritário depois de sua desistência, Tarso fez críticas aos companheiros, afirmando que eles deveriam ter pensando antes nas conseqüências. Disse que não volta para o governo e atacou quem pensa nesse momento em "interesses pessoais". Ele negou ainda que tenha conversado com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre o assunto.

Tarso não comentou a declaração do deputado Paulo Delgado (PT-MG), da ala moderada do partido, sobre a sua substituição pelo deputado Ricardo Berzoini (PT-SP) na chapa do Campo Majoritário. Para Delgado, Tarso Genro não estava participando dos debates com os outros candidatos, dando prioridade a um diálogo com a opinião pública em detrimento da militância.