Brasília – Dos 45,8 milhões de beneficiários do Programa Bolsa Família (PBF), mais da metade (59,6%) tem até 24 anos ? são 40,5% até 15 anos ? e a maioria (53%) é do sexo feminino: 24,3 milhões de mulheres e 21,6 milhões (47%) de homens.

Os números são do Perfil das Famílias Beneficiárias do Programa Bolsa Família, divulgado nesta terça-feira (21) pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

Segundo o estudo, o programa criado em 2003 chega a 11,1 milhões de famílias na faixa de renda mensal até R$ 60. As respostas à pesquisa do ministério indicam que 57,4% dos beneficiários se consideram pardos; 7,8%, pretos; 28,4%, brancos; 0,4%, amarelos; e 0,5%, indígenas.

A maioria (69,2%) reside em áreas urbanas e na região Nordeste está a maior parcela de moradores em áreas rurais ? 40,4%, enquanto no Sudeste são 17,7% e no Centro-Oeste, 15,1%. A diferença entre moradores de áreas urbanas para os das áreas rurais aumentou desde 2005, quando havia mais 2,7 milhões de beneficiários nas cidades: em março deste ano, já eram 4,2 milhões a mais.

Ontem (20) começou a ser pago o benefício com reajuste médio de 18%, conforme a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de outubro de 2003 a maio deste ano. Mensalmente, passarão a ser transferidos cerca de R$ 800 milhões às famílias cadastradas, com um aumento de R$ 127 milhões, segundo o ministério. O valor médio nacional, que era de R$ 62,00 chega a R$ 74,00.

O reajuste elevou o valor básico por família de R$ 50 para R$ 58, e o variável (por filho de até 15 anos, limitado a três), de R$ 15 para R$ 18. Uma família com três crianças, que recebia R$ 45, passou a receber R$ 54, mais os R$ 58 do valor básico. Com isso, o teto do programa sobe de R$ 95,00 para R$ 112,00.