Mais dois veículos foram incendiados na noite de ontem em Leme (188 km de São Paulo), elevando para nove o número de ataques ocorridos na cidade em dois dias. Ao todo, cinco veículos, uma creche e um posto da guarda civil foram alvos de tentativa de incêndio.

Segundo informações da Polícia Militar, a primeira ação desta quinta aconteceu por volta das 22h, quando um ônibus de trabalhadores rurais, que estava quebrado, foi incendiado no Jardim Nova Era. Logo depois, às 22h45, uma Saveiro estacionada no Jardim Eloísa foi alvo dos criminosos. Os bombeiros foram acionados e o fogo foi apagado rapidamente. Ninguém se feriu.

O capitão Luiz Enrique Ikeda, da Polícia Militar, classifica esses ataques como atos de vandalismos e afirma que não estão relacionados com a morte de um assaltante, possivelmente ligado à facção criminosa PCC, e à prisão de três homens na tarde de quinta. “São atos de vandalismo de jovens, geralmente usuários de entorpecentes, que passam de bicicleta, jogam gasolina e ateiam fogo para fazer bagunça”, disse.

De acordo com Ikeda, apenas o primeiro ataque a ônibus, na noite de quarta, parece ter sido um ato de retaliação à ação policial que culminou na morte de um dos assaltantes e na prisão dos demais. No atentado, que aconteceu na Vila São João, oito pessoas armadas invadiram um ônibus e ordenaram a saída dos passageiros. Em seguida, despejaram gasolina no veículo e atearam fogo. Não houve feridos.

“Os demais atos aconteceram em local vazio, onde ninguém foi abordado. Foram atos de vandalismo ou ações voltadas para atingir uma pessoa específica. Atentados de facções criminosas são feitos em locais de grande movimentação de pessoas, para que a ação seja divulgada”, afirma Ikeda.

Ainda segundo o capitão, até o momento, cinco pessoas foram detidas na cidade portando galões de gasolina. Elas foram ouvidas pela Polícia Civil e liberadas em seguida.

Assalto

O assalto que terminou com a morte de um criminoso e na prisão de três aconteceu na tarde de quarta, na Vila São João. De acordo com Ikeda, a quadrilha invadiu uma empresa de alimentos e fugiu levando dinheiro.

Após receber a denúncia do crime, carros de polícia foram enviados ao local e encontraram os suspeitos em fuga. Iniciou-se uma perseguição que foi interrompida pela colisão do carro dos assaltantes com outro veículo, já na altura de uma das saídas da cidade.

Nesse momento, segundo o capitão da PM, três criminosos foram presos, ainda no carro, e um conseguiu escapar, correndo pela via pública e invadindo uma casa. Perseguido, o homem abriu fogo contra os policias e foi atingido por três disparos no tórax, dentro da casa, que estava vazia.

O assaltante, de 19 anos, foi levado ao hospital, mas não resistiu e morreu. Os demais criminosos, todos com idades entre 19 e 20 anos, foram encaminhados para diferentes presídios da região. De acordo com a polícia, a pulverização das prisões visa desarticular uma possível organização das facções criminosas no Estado.