A força-tarefa CC5 – missão do Ministério Público federal que investiga o esquema Banestado – enviou ontem à Procuradoria da República, em São Paulo, relatório citando o ex-prefeito Paulo Maluf (1993-1996) como beneficiário de movimentação financeira no MTB Bank de Nova York. Segundo registro identificado na base de dados da instituição – hoje Hudson United Bank -, em 10 de janeiro de 2002 havia um total de US$ 406.566,53 disponíveis para Maluf.

As informações sobre supostas operações do ex-prefeito no MTB foram solicitadas à força-tarefa pelo procurador Pedro Barbosa Pereira Neto, de São Paulo, que conduz investigação criminal sobre valores que Maluf teria enviado ou ainda mantém na Suíça e em Jersey. Pereira Neto já está de posse de cópia da documentação que o Tribunal de Genebra encaminhou ao Brasil em março, revelando a existência de depósitos que podem ultrapassar US$ 300 milhões. A meta do procurador é tentar rastrear todas as remessas que o ex-prefeito teria realizado, sem comunicação ao Banco Central e declaração ao Fisco brasileiro. Este seria o caso do dinheiro no MTB.