Diante da repercussão negativa de redações que continham desde receita de macarrão instantâneo a exaltação a time de futebol, o Ministério da Educação (MEC) decidiu aumentar o rigor na análise dos textos para a próxima edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Conforme divulgado na tarde desta quarta-feira, 8, as inscrições do Enem 2013 serão realizadas de 13 a 27 de maio e a aplicação das provas ocorrerá nos dias 26 e 27 de outubro. A taxa de inscrição será de R$ 35.

“Se estamos mudando o padrão e aumentando o rigor, é porque não ficamos confortáveis com algumas avaliações que nós tivemos”, disse o ministro da Educação, Aloizio Mercadante. “Estamos partindo desses casos específicos para aprimorar ainda mais a correção.”

Nos últimos meses, o MEC foi confrontado com a divulgação nas redes sociais de redações com deboche de alunos. Uma delas, com a citação do hino do Palmeiras, ganhou nota 500. Em outra, um estudante detalhou a receita de preparação de Miojo – o tema da redação se voltava para a questão de fluxos migratórios. Agora, com os novos critérios de correção, as duas redações ganhariam nota zero.

O edital da próxima edição do Enem, que será publicado no Diário Oficial da União (DOU) de quinta-feira, 9, prevê que serão anuladas redações que apresentem “parte do texto deliberadamente desconectada com o tema proposto”. Outra mudança se refere a uma das cinco competências avaliadas na redação – o domínio da língua portuguesa. A partir de agora, serão aceitos desvios gramaticais como “excepcionalidade” e “quando não caracterizem reincidência”. “Em erro crasso excepcional, a banca vai examinar a natureza dessa excepcionalidade, se é um desvio compatível com a nota máxima. É que nem jogo de futebol. A regra é clara, mas a interpretação do juiz nem sempre é consenso, há um grau que compete à banca”, disse Mercadante.

O MEC também decidiu diminuir de 200 para 100 a nota de discrepância que leva as redações para um terceiro corretor. Atualmente, todas as redações do Enem são submetidas a dois corretores independentes – na última edição, quando a diferença de notas era superior a 200 pontos, o texto era submetido a uma terceira avaliação. No Enem 2013, quando a diferença for superior a 100 pontos, o texto passará por uma terceira análise. Nos casos em que nem um terceiro corretor chegar a um consenso, a redação vai para uma banca examinadora, que dará a nota final.

De acordo com Mercadante, o MEC trabalha com a estimativa de que, com as mudanças, uma em cada três redações do Enem vá para um terceiro corretor – na edição de 2012, a proporção foi de 21%. O MEC espera em torno de 6,1 milhões de inscrições para o Enem 2013.