O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, disse que o desmatamento na Amazônia no trimestre de novembro a janeiro teve “queda significativa”. Ele não precisou o montante porque os dados serão divulgados nesta terça-feira (3) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e pode haver correção, mas não escondeu o otimismo. “Nos oito meses anteriores a redução foi de 40%. Agora caiu mais.”

Mas a redução terá por base de comparação o mesmo trimestre (novembro-janeiro) anterior, quando o desmatamento atingiu seu pico e levou à Operação Arco de Fogo, com mobilização de mais de mil homens da Polícia Federal, Polícia Rodoviária, Força Nacional de Segurança Pública e Ibama. Minc negou que a redução nos índices se deva à crise. “Quando há retração econômica, ela só se reflete no meio ambiente pelo menos seis meses depois, e estamos falando de todo 2008.”

O ministro atribuiu a conquista a vários fatores, como corte de crédito aos desmatadores, acordos com o setor produtivo em torno do desenvolvimento responsável e um programa de repressão a crimes ambientais. Minc deu as declarações ao anunciar, com o ministro da Justiça, Tarso Genro, a criação da Guarda Nacional Ambiental. A tropa atuará no combate a crimes ambientais.