O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou nesta sexta-feira (01) que a pasta está reforçando medidas de controle para evitar fraudes como as ocorridas nos plantões do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS), em São Paulo.

Durante a semana, o Ministério Público Estadual de São Paulo (MPE-SP) recebeu denúncias de que permanece em funcionamento o esquema por meio do qual médicos plantonistas recebem apesar de assinarem o ponto e deixarem as unidades onde deveriam estar trabalhando.

As fraudes nos plantões vieram à tona no mês passado, após uma investigação revelar o desvio de verbas destinadas ao pagamento de plantões para servidores do CSH, com pagamentos a profissionais que não compareciam ao trabalho.

A investigação levou à prisão de 12 pessoas e às demissões dos então secretário estadual de Esporte, Lazer e Juventude, Jorge Pagura, e do coordenador de Serviços da Saúde de São Paulo, Ricardo Tardelli.

Hoje, após cerimônia para inaugurar o milésimo leito do Sistema Único de Saúde (SUS) na Santa Casa de Belo Horizonte, Padilha disse que o Ministério da Saúde agora exige que todas as prefeituras e governos estaduais façam o controle da atividade dos profissionais de cada uma das unidades de saúde.

“Cada gestor estadual e municipal tem, no momento em que registra um estabelecimento de saúde, dizer quantos vínculos tem o profissional e quais são as horas de trabalho. Exatamente para que o gestor municipal, estadual e a população possam impedir uma situação como essa”, disse, referindo-se às fraudes em Sorocaba.