Campinas – O perito Ricardo Molina, da Universidade Estadual de Campinas, no interior de São Paulo, analisou há cinco meses uma cópia da lista que relaciona políticos da base aliada do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, supostamente beneficiados no esquema de caixa dois que teria sido operado pelo ex-diretor da empresa Furnas Centrais Elétricas Dimas Toledo, em 2002. Molina concluiu que a cópia não apresenta indícios de falsidade. "O que não quer dizer que o original seja autêntico", ressalvou. Ele disse que somente a avaliação do original poderá comprovar se o documento é verdadeiro.

Molina afirmou que a reprodução, com o timbre de Furnas, foi encaminhada a ele por um órgão de imprensa. "Recomendei que procurassem o original, mas até hoje não o recebi", disse. A cópia apresentava um carimbo de autenticação de cartório, mas o perito afirmou que não dá garantia de autenticidade. "Tanto faz ter ou não o carimbo. O cartório não analisa a autenticidade do original."

Na época em que fez a análise, em outubro, Molina afirmou que somente com o original teria uma conclusão definitiva. O perito acrescentou que, em algumas situações, a montagem de um documento pode não aparecer na reprodução. "Eu fiquei sabendo há pouco tempo que a fonte do órgão de imprensa era o lobista Nilton Monteiro", afirmou. Molina disse não acreditar que o original apareça, depois de cinco meses. "Ou não existe, ou jogaram fora, ou não querem que apareça", alegou.