Brasília – A Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou queda de 49,5% no número de mortes, de 31,7% no de feridos e de 32% no total de acidentes nas estradas federais brasileiras durante o feriado de ano-novo, em comparação com o de Natal.

Na Operação Ano Novo, realizada de 28 de dezembro a 1º de janeiro, foram registrados 1.738 acidentes, com 1.276 feridos e 99 mortes. No Natal (21 a 25 de dezembro), houve 2.562 acidentes, que deixaram 1.870 feridos e 196 mortos.

No feriado anterior de ano-novo, que teve um dia a menos, ocorreram 1.529 acidentes, com 1.181 feridos e 94 mortes.

Segundo a PRF, a redução no número de acidentes, de feridos e de mortes é resultado da fiscalização ostensiva, acompanhada de monitoramento aéreo, escalas especiais e do uso de radares e bafômetros. Para o inspetor Alvarez Simões, coordenador de controle operacional da Polícia Rodoviária Federal, a ?operação de guerra? realizada no ano-novo foi a responsável pela queda no número de acidentes e de mortes.

?Foi o maior rigor na fiscalização que barrou a sanha suicida e assassina do motorista que não respeita as regras?, afirma. No feriado de ano novo, mais de 100 mil veículos foram abordados e cerca de 22 mil multas foram aplicadas.

Para Simões, não é possível falar ainda em uma conscientização dos motoristas brasileiros. ?Se houvesse conscientização, as autuações não teriam crescido tanto?, afirma, lembrando que as autuações in loco aumentaram em torno de 20% e as autuações eletrônicas praticamente dobraram em relação ao Natal.

Simões lembra também que o esforço dos policiais rodoviários foi fundamental. ?O policial que tem obrigação legal de trabalhar 40 horas por semana trabalhou 70, 80, em turnos dobrados para que chegássemos a uma maior fiscalização, e isso ocorreu.?

Os estados com maior número de acidentes foram Minas Gerais (234), Santa Catarina e Rio Grande do Sul (190), Rio de Janeiro (184), São Paulo (123) e Bahia (106). Já os estados que tiveram mais mortes foram Minas Gerais (14), Goiás (9), Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Maranhão (8 em cada), e Espírito Santo (7).