O motorista do ônibus que colidiu com um trem ontem à noite, em Americana, no interior de São Paulo, sobreviveu ao acidente. Oito pessoas morreram e 15 ficaram feridas. O motorista, Alonso de Carvalho, de 50 anos, fraturou um pé, um braço e sofreu outras escoriações. O maquinista não sofreu ferimentos, mas entrou em estado de choque.

O ônibus municipal foi atingido em cheio pelo trem de carga em uma passagem de nível e arrastado por cerca de 100 metros. A composição tem quatro locomotivas e 77 vagões, cada um pesando 100 toneladas, e levava milho, soja e açúcar para o Porto de Santos. Seis pessoas morreram na hora e duas, no pronto-socorro municipal, onde estão internadas as outras vítimas.

Segundo testemunhas, o motorista tentou cruzar os trilhos logo atrás de um carro, mas não teve tempo. Havia um segundo trem parado em outra linha férrea e parte do ônibus acabou esmagada entre as duas composições. O coletivo pertence à Viação VCA e fazia a última viagem do dia do trajeto a linha Mathiense – Antonio Zanaga.

Segundo Érico Henrique de Oliveira, de 19 anos, enteado do motorista, a sirene tocou quando o ônibus estava no meio da travessia e não havia ninguém na guarita da passagem. Já Juarez Correia, coordenador de operações da América Latina Logística (ALL), proprietária da composição, afirmou que o maquinista acionou corretamente o sinal sonoro e que e as luzes e o alarme da passagem funcionaram corretamente. A empresa abrirá sindicância para apurar o ocorrido.