Miriam Subam foi morta dentro da Penitenciária de Presidente Venceslau, no interior de São Paulo, supostamente pelo seu companheiro, Raul Gomes de Brito. Segundo informações da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), o corpo da mulher foi encontrado por volta das 13h30 numa cela, com sinais de enforcamento, após a retirada dos visitantes.

O detento confirmou que teve uma discussão com a vítima na cela e, após enforcá-la com uma corda de nylon, teria confessado a um agente penitenciário que tinha cometido o crime. O corpo de Miriam foi liberado por volta das 18 horas e encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) da cidade.