O corregedor-geral administrativo do Estado de São Paulo, Gustavo Ungaro, descartou a possibilidade de convocar o ex-governador José Serra para dar explicações sobre um possível envolvimento nas denúncias de formação de cartel em licitações de trem e do metrô paulistanos. Ele argumenta que não é uma prerrogativa do órgão ouvir ex-governadores. “Um ex-governador não tem vínculo com o Estado, então não está no foco”, disse. “Não faz sentido ele ser ouvido”, completou.

E-mails que fazem parte dos documentos em poder do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) na investigação sobre o cartel de empresas de trens mostram que funcionários da Siemens disseram que tanto Serra quanto o então deputado José Roberto Arruda, ex-governador do Distrito Federal, tinham ciência da ação das empresas no setor metroferroviário.