Rio Branco (AE) – Pela primeira vez desde que começou a enchente, dia 11, o rio Acre começou a baixar na manhã de ontem. O nível das águas desceu de 16,72 metros para 16,58 metros. Mas, o drama em Rio Branco, banhada pelo rio, não diminuiu. São mais de 33 mil pessoas atingidas diretamente, mais de seis mil crianças sem aulas, pois 44 escolas foram transformadas em abrigos, e serviços públicos praticamente paralisados.

Não bastasse ter as casas alagadas, algumas famílias não encontrarão suas coisas ao voltar. Segundo o delegado Walter Prado, diretor-geral da Polícia Civil do Acre, várias casas foram saqueadas por ladrões que, na falta de objetos de valor, furtaram portas, janelas e até telhas. Para combater este crime, Prado montou uma operação conjunta com o Pelotão Ambiental da PM para patrulhar os bairros em barcos motorizados.

Desabrigados

Todo o esforço dos servidores públicos municipais ou estaduais está sendo concentrado no auxílio aos desabrigados. A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil contabiliza 948 famílias nos abrigos e outras 1007 removidas para casas de parentes ou amigos.