A mais recente denúncia contra o presidente do Senado, senador Renan Calheiros (PMDB-AL) – de suposto favorecimento à cervejaria Schincariol na compra de uma fábrica de refrigerantes da família Calheiros -, não será acrescentada ao processo que corre contra ele no Conselho de Ética.

O senador Renato Casagrande (PSB-ES), um dos três relatores do processo no Conselho, disse há pouco que a nova denúncia não pode ser incluída, porque o processo contra Calheiros já está em andamento.

No entender de Casagrande, os interessados em oficializar essa denúncia teriam que entrar com nova representação, desta vez na Mesa da Câmara, já que um dos sócios da fábrica de refrigerantes é o deputado Olavo Calheiros (PMDB-AL), irmão de Renan.

A iniciativa de pedir que o novo caso fosse anexado ao processo no Conselho de Ética do Senado foi anunciada pelo PSOL, partido que apresentou a representação original contra o presidente do Senado acusando-o de quebra do decoro parlamentar. Casagrande disse entender que a investigação dessa denúncia cabe, por envolver um deputado, ao Conselho de Ética da Câmara.