O grupo que tentava assaltar o caixa eletrônico dentro de um supermercado em Taipas, na zona norte da cidade de São Paulo, estava armado com fuzis e metralhadoras, além de contar com coletes a prova de balas, de acordo com informações da polícia. A quadrilha chegou ao local durante esta madrugada, em cinco veículos e com maçaricos para auxiliar no assalto, mas foi surpreendida por policiais militares. Houve troca de tiros e seis assaltantes morreram. Outros nove conseguiram fugir.

Em nota divulgada hoje, o Grupo Pão de Açúcar informou que a polícia foi acionada após o sistema de segurança identificar uma tentativa de assalto na loja do supermercado Comprebem localizado na Avenida Elísio Teixeira Leite, em frente ao Hospital Geral de Taipas. Segundo a empresa, a loja estava fechada e em reformas, e nenhum funcionário ou cliente foi ferido durante a ação. No entanto, três pintores estavam dentro do supermercado e chegaram a ser feitos reféns, mas saíram ilesos.

O tiroteio começou por volta das 3h15, com policiais que estavam na rua paralela à Avenida Elísio Teixeira Leite, que fica em um nível mais alto. Eles teriam respondido aos disparos efetuados pelos criminosos. Feridos, cinco bandidos entraram no supermercado. Quando o reforço policial chegou, houve nova troca de tiros no interior do estabelecimento.

Segundo o comandante das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), da PM, coronel Paulo Adriano Telhada, cerca de 50 policiais participaram da ação. No início da manhã, a Polícia Científica chegou para periciar o local. O delegado Ayrton Roberto informou que três bandidos já foram identificados. “Vamos começar o trabalho para identificar os demais”, afirmou em entrevista à rádio Estadão/ESPN. Os nomes dos criminosos ainda não foram revelados.

A região onde ocorreu o confronto foi isolada pela polícia. O trânsito foi liberado na Avenida Elísio Teixeira Leite só às 11h45. Devido ao bloqueio, a SPTrans desviou 14 linhas de ônibus para vias paralelas.

A Escola Estadual Elísio da Teixeira Leite III suspendeu as aulas no período da manhã. Cerca de 500 alunos foram prejudicados. Não há previsão de quando o trecho isolado pela polícia será liberado. Ainda não há confirmação se ocorrerão as aulas do período da tarde.