Brasília (AE) – Para evitar situações ?equivocadas e injustas?, como a da atual convocação extraordinária do Congresso Nacional, entidades da sociedade civil que fazem o acompanhamento dos gastos públicos planejam aumentar o rigor no acompanhamento dos gastos do Legislativo, da mesma forma como já se faz com o Executivo. ?Nós já temos os dados de quanto o Legislativo gasta, mas queremos agora acompanhar a execução desse gasto. As Ongs, em especial o Inesc, estão pressionando para isso. Da mesma forma que isso já acontece bem no Executivo, queremos fazer o mesmo no Legislativo?, diz o cientista político Edélcio Vigna, assessor do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc). Ele lembra que a convocação extraordinária do Congresso vai consumir o equivalente a 316 mil salários mínimos dos cofres públicos.

A convocação extraordinária do Congresso Nacional custará cerca de R$ 95 milhões aos cofres públicos. As despesas deverão chegar a R$ 50 milhões na Câmara e R$ 45 milhões no Senado. Do total a ser gasto na Câmara, cerca de R$ 14 milhões serão para o pagamento dos salários dos deputados. O restante, R$ 36 milhões, será usado para o pagamento de diárias extras aos servidores e despesas de custeio.