Treze pessoas, entre elas o maior traficante de drogas da Colômbia, Juan Carlos Ramirez-Abadia, de 44 anos, já foram presas na manhã desta terça-feira (7) em conseqüência da Operação Farrapos, da Polícia Federal (PF). A operação visa desarticular uma organização internacional de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. Foram apreendidos ainda quatro veículos e nove armas, e quatro cofres foram lacrados.

Após dois anos e meio de investigações, a PF deve cumprir 17 mandados de prisão e 28 ordens de busca e apreensão nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Os detidos são suspeitos de dar suporte à quadrilha na lavagem do dinheiro adquirido com o tráfico e serão indiciados, além de crime financeiro, por associação para o tráfico de drogas.

Segundo a PF, o esquema criminoso em que traficantes colombianos transportavam grande quantidade de entorpecente para a Europa e EUA, cujo lucro retornava ao Brasil, saindo da Espanha e do México, transitando ainda pelo Uruguai. O ciclo da lavagem de dinheiro era completado pela organização, aproveitando-se de investimentos no ramo imobiliário (hotéis e mansões), industrial e na aquisição de veículos.