Brasília – PSDB e PFL levantaram ontem a nova bandeira de ataque ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva: a campanha pelo reajuste do salário mínimo. A oposição anunciou que vai obstruir as votações na Câmara dos Deputados até que o governo apresente sua proposta.

“Queremos um aumento acima da inflação. Se o governo Lula quiser manter a proposta de dobrar o mínimo no seu mandato, vai ter que dar um reajuste de 30 por cento por ano??, disse o líder do PSDB na Câmara, deputado Custódio Mattos (MG), coro repetido pelo líder do PFL, José Carlos Aleluia (BA).

Segundo o novo líder do governo na Câmara, o deputado Professor Luizinho (PT-SP), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda não fechou o reajuste e também não estabeleceu uma data para enviar a Medida Provisória à Casa. “Ainda não temos uma data, mas não passará de maio.??

Para manter a tradição de conceder o aumento em 1 de abril – como aconteceu nos últimos três anos-, o deputado petista disse que a medida será retroativa a abril e rebateu as críticas sobre a lentidão do governo em elevar o mínimo. “O governo Lula está cumprindo o que prometeu, dobrar o mínimo em quatro anos, mas não será no primeiro ou segundo ano que isso vai acontecer. Para este ano, nosso objetivo é ter um aumento acima da inflação??, disse.

O novo líder, que já foi classificado pela oposição de ?”trator?? por sua posição de forte defesa do governo, adotou um discurso mais conciliador, próprio de um líder. “A obstrução é uma manifestação legítima da oposição, vamos conversar e dialogar para chegar ao melhor entendimento.?? Professor Luizinho pretendia se reunir ontem com líderes da base aliada para discutir estratégias nas votações da Câmara.

O professor Luizinho acusou a oposição de fazer uma obstrução política, prejudicando os trabalhos da Câmara e o País. Além da antecipação do reajuste, a oposição quer um aumento bem acima da inflação. Somente a recomposição da inflação exigiria um aumento dos atuais R$ 240 para R$ 256,48. O PFL está propondo um mínimo de R$ 320. Já o PSDB fala em R$ 300. A expectativa é de um aumento para R$ 270.

O líder do PFL na Câmara, José Carlos Aleluia (BA), criticou a posição do governo. “Se é retroativo, por que não dá logo? Deveria ter anunciado antes de 1.º de abril para o trabalhador saber quanto que ganha e quanto que pode gastar. Quem ganha salário mínimo é gente que tem de fazer conta todo dia. Não é gente que mora em Palácio e usa avião de luxo”, disse Aleluia em uma crítica ao presidente Lula.