Brasília – A folha salarial dos cerca de 10 mil funcionários do Senado terá um reforço no ano que vem de mais de R$ 500 milhões, que serão destinados à implantação de um milionário plano de cargos e salários. O orçamento de 2005, enviado pelo governo segunda-feira ao Congresso, está prevendo gastos de R$ 1,98 bilhão no pagamento de funcionários da ativa e aposentados contra R$ 1,44 bilhão que estão sendo gastos este ano. Um aumento de 35%.

A destinação dos recursos para o Senado, que foi mantida em sigilo até para o Executivo, já provocou ciúmes dos funcionários da Câmara, que estão reivindicando um reajuste salarial de 15%. O orçamento não prevê recursos para este reajuste. Segundo os números do orçamento, a previsão de gastos com a folha de pagamento da Câmara só vai aumentar 9% no ano que vem, praticamente a inflação estimada para este ano.

Cálculos preliminares indicam que, com este novo reajuste, o custo médio de um funcionário do Senado passaria de R$ 14 mil para R$ 19 mil mensais. Já na Câmara, o custo é de R$ 10.580. O gasto dos 17 mil funcionários previstos para o ano que vem é de R$ 1,85 bilhão, contra R$ 1,68 bilhão deste ano. Os recursos destinados ao Senado fazem parte da implantação da última etapa de um plano de cargos e salários iniciado há cerca de três anos.