Em meio a suspeitas de que o governo federal está retardando a divulgação dos números do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) por conta do período eleitoral, o ministro da Educação, Henrique Paim, reconheceu nesta quinta-feira, 04, em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, que o indicador “coloca em xeque” a gestão de Estados e municípios na área.

“Esse governo é um governo que tem um DNA voltado para a questão da avaliação e para a divulgação de dados. Temos muita tranquilidade em relação a isso. O resultado do Ideb coloca em xeque gestão dos Estados e municípios, por isso temos todo o cuidado em divulgar, vocês serão avisados”, afirmou o ministro, que participou de café da manhã no Palácio da Alvorada com a presidente Dilma Rousseff e o matemático Artur Ávila, ganhador da Medalha Fields.

Procurada pela reportagem, a assessoria do Ministério da Educação não soube informar quando o Ideb será divulgado à imprensa.

Em nota, a Casa Civil comunicou que é “totalmente improcedente” a informação divulgada de que já teria recebido o resultado do Ideb. “A Casa Civil não recebe, analisa ou divulga os dados do Ideb, sendo esta uma atribuição exclusiva do Ministério da Educação e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)”, informou, em nota.

Questionado sobre a possibilidade de ser chamado pela Comissão de Educação do Senado para explicar o atraso na divulgação do Ideb, Paim afirmou que iria ao Congresso prestar esclarecimentos “com a maior satisfação”.