Um estudo divulgado nesta terça-feira (19) pela Associação Brasileiro da Infra-Estrutura e Indústrias de Base (Abdib) baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNDA), lançada pelo IBGE em 2006, mostra que uma grande fatia de brasileiros que não têm acesso aos serviços de infra-estrutura é representada por famílias cuja renda mensal domiciliar de até três salários mínimos.

Dos 95,3 milhões brasileiros que não têm acesso adequado ao serviço de coleta de esgoto, 58,3 milhões de cidadãos estão nesta faixa de renda, o que representa 61,2% do total. Entre os 35,3 milhões de pessoas que não dispõem de rede geral de distribuição de água, 24,7 milhões (69,9%) não ganham mais que três salários mínimos. Já dos 6,1 milhões que vivem sem energia elétrica, 85,7% do total (5,2 milhões) têm renda mensal de até três salários mínimos, e dos 53,1 milhões de cidadãos que não possuem telefone fixo ou celular em casa, 44 milhões, ou 82,9% do total, estão nesta faixa de renda.

"A infra-estrutura é, depois de um sistema educacional universal e eficiente, condição fundamental para haver qualidade de vida e para prover as pessoas de condições mínimas para que elas ultrapassem a linha de pobreza com as próprias mãos", ressalta em comunicado o presidente da Abdib, Paulo Godoy.