Brasília – O ministro do Esporte, Orlando Silva, avalia que os principais desafios dos Jogos Pan-Americanos para as políticas públicas brasileiras são: articular atividades esportivas e educativas no país; capacitar mais os profissionais brasileiros; ampliar e diversificar o financiamento do esporte; e aproveitar e melhorar a infra-estrutura esportiva do país.

?Tudo isso, orientado por um Sistema Nacional de Esporte, que define o papel dos estados, do município, da União, dos agentes privados, das universidades e dos conselhos profissionais. Essas medidas é que vão garantir um outro futuro para o esporte brasileiro. Quem sabe, daqui a dois, três ciclos olímpicos nos tenhamos o Brasil situado entre as principais potências esportivas?, afirma.

O ministro cita o programa Bolsa Atleta como exemplo de política pública. ?A seleção do programa é um modelo exemplar de prática republicana, porque os critérios são públicos, a seleção é feita em base em um edital que é publicado anualmente?, disse| Para receber o apoio do Bolsa Atleta, o esportista pode ser estudante, atleta com performance nacional, internacional e olímpico ou para-olímpico. Cada categoria recebe um valor no limite máximo de R$ 2.500.

Para se habilitar a receber, o atleta tem que estar entre as primeiras colocações da sua modalidade no último evento reconhecido pela respectiva federação. ?A bolsa premia aqueles atletas que alcançaram uma boa performance e que não tenham patrocínio?, diz.