São Paulo – A presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Solange Vieira, afirmou hoje (28) que o número de atrasos e cancelamentos de vôos no feriado prolongado de ano novo deve ser menor do que o registrado durante o Natal. Em entrevista coletiva no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, Vieira disse que somente problemas meteorológicos podem causar transtornos aos passageiros que embarcarão nos próximos dias.

?A situação está super tranqüila no Brasil todo. Se São Pedro ajudar, este fim de ano vai ser ótimo, vai todo mundo chegar a tempo para o Réveillon", disse a presidente da Anac.

Segundo ela, 151 funcionários da agência estarão trabalhando, principalmente, nos aeroportos de Cumbica (Guarulhos) e Tom Jobim (Rio de Janeiro), dando prosseguimento à Operação Anac nos Aeroportos, que vai até 7 de janeiro. ?Nosso foco são os aeroportos com maior chance de problema. Na semana passada, nossa aposta eram os vôos domésticos. Hoje, como a gente acha que a demanda por vôos internacionais é muito grande, nossa preocupação maior é com Guarulhos e Galeão?, explicou.

Em um balanço preliminar da operação, a presidente da Anac comemorou os índices de atrasos e cancelamentos registrados entre 21 e 26 de dezembro. Para ela, a presença de diretores e superintendentes da Anac nos aeroportos e medidas tomadas pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) e pelo sistema de controle de tráfego aéreo contribuíram para os bons resultados.

Segundo Vieira, o índice maior de atrasos e cancelamentos nos primeiros dias do feriado de Natal era esperado por três razões: a demanda de passageiros muito elevada, a alteração na malha de vôos do dia 20 para o 21 e as fortes chuvas em São Paulo e Rio de Janeiro. De acordo com ela, a partir de sábado (22), os problemas foram ?se diluindo? e hoje percentual geral de atrasos é razoável ? 7,7%, de acordo com balanço divulgado às 16h pela Infraero.

Segundo Vieira, durante o Natal, não foi registrado nenhum atraso causado por falhas no controle aéreo. O maior motivo de problemas foi o atendimento na área do check-in. ?Congonhas e Guarulhos já têm problemas de terminal e operam no limite da capacidade. Então, quando estamos em época de festas e as empresas operam com vôos lotados, é natural que tenhamos problemas para fazer check-in de todos os passageiros?, avaliou.

Vieira disse ainda que os problemas constatados pelos fiscais da Anac nos aeroportos durante o Natal e o ano-novo servirão de base para mudanças na regulação do setor da aviação civil. ?Nossa meta é 0% de atrasos. A gente espera que no segundo semestre isso seja atingido?, disse.

De acordo com a presidente da Anac, empresas que não cumprirem regras poderão até perder a concessão das linhas. ?Mais importante que a companhia pagar uma multa de R$ 5 mil, de R$ 10 mil ou R$ 20 mil é ela perder a autorização de voar naquele horário e naquela rota?, destacou.