Dez meses depois do início da crise aérea, são fortes os sinais de que o titular do Planejamento, Paulo Bernardo, pode mesmo ser deslocado para o Ministério da Defesa no lugar de Waldir Pires. Bernardo já foi sondado duas vezes, a pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que precisa de uma solução rápida para dar resposta à sociedade. Lula teria decidido substituir Pires logo após a tragédia com o avião da TAM.

Bernardo prefere continuar à frente do Planejamento, mas não criou obstáculos para assumir a tarefa e até agora é a opção considerada mais forte. O presidente, porém, não bateu o martelo sobre sua transferência e ainda examina outros nomes para ocupar a cadeira de Pires. O governo também sondou Nelson Jobim, ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), que, polidamente, recusou o convite.

O presidente também decidiu trocar o presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira. O major brigadeiro-do-ar Jorge Godinho Néri é hoje o mais cotado para comandar a secretaria-executiva do Conselho Nacional de Aviação Civil (Conac).

Filiado ao PT e um dos maiores defensores do controle de gastos públicos no governo, Bernardo é o padrinho da proposta que prevê a abertura do capital da Infraero. Sua idéia, que havia sido discutida ainda no primeiro mandato e acabou engavetada, foi novamente apresentada ao presidente uma semana antes do desastre com o Airbus da TAM.

As informações são de O Estado de S. Paulo