Rio

– Depois de recusar o Ministério das Comunicações, o PDT admite a possibilidade de ficar sem um representante no governo do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva. Existe a possibilidade do partido indicar apenas o presidente de uma grande estatal. Entre as pastas, os pedetistas estão interessados em áreas que permitam uma ação direta do poder público, como a de Transportes, cobiçada também pelo PMDB.

Em avaliações internas, o presidente nacional do PDT, Leonel Brizola, tem dito que não acredita na permanência desta primeira equipe até o fim deste ano. Segundo Brizola, em sete ou oito meses, a “lua-de-mel” com o empresariado e partidos de centro terá acabado. Ele aposta numa reacomodação futura do primeiro escalão, quando a legenda poderia ganhar mais espaço. Brizola, porém, disse que o apoio a Lula independe do ministério a ser ocupado pelo PDT.