Freire: “Onde estamos bem, ou podemos
ir ao segundo turno, estamos com o PDT”.

A menos de 15 dias das eleições municipais, na qual o futuro dos principais partidos será decidido no jogo das urnas, os presidentes do PDT, Carlos Lupi, e do PPS, Roberto Freire, divulgaram ontem um comunicado público aos militantes dos dois partidos em que criticam a política econômica do governo, a intervenção do núcleo central do governo na vida dos partidos políticos e condenam a força do poder e do dinheiro no lugar do convencimento e da lealdade.

Brasília – A nota também anuncia a reaproximação dos dois partidos com vistas às eleições de 2006. Os dois partidos defendem o rompimento “com os interesses meramente financistas, que tanto prejudicam o desenvolvimento, a produção e, principalmente, os trabalhadores”. Segundo eles, a política econômica posta em prática pelo atual governo é insuficiente para atingir estes objetivos porque não garante a sustentabilidade do crescimento a médio e longo prazos.

Embora não cite nominalmente o acordo firmado entre o PT e o PTB e a aproximação de Lula com o grupo do senador pefelista Antônio Carlos Magalhães, a nota acusa o governo de intervir na rotina e na vida dos partidos políticos, “provocando divisões artificiais e incentivando o fisiologismo”.

Segundo a nota, a busca da governabilidade e a celebração de alianças são naturais e legítimas a qualquer administração, mas se transformam em grave equívoco quando é desrespeitado o primado da autonomia partidária e da ética na política. A força do poder e do dinheiro não pode nunca tomar o lugar do convencimento e da lealdade”.

Lupi e Freire acertaram que alianças serão feitas de forma concreta nos dois turnos. “Onde o PDT estiver bem, o PPS estará com ele e vice-versa”, declarou Lupi. As alianças devem ser feitas em Porto Alegre, Florianópolis, Rio Branco e Cuiabá.

Segundo Freire, a aproximação dos dois partidos representa uma retomada das alianças que foram estabelecidas pelas duas legendas em 2002. A idéia é visar o fortalecimento dos dois partidos, que se declaram identificados ideologicamente. “Onde estamos bem, ou com perspectivas de ficarmos bem no segundo turno, estamos com o PDT”, observou Freire.

Sobre a formação do bloco, os dois presidentes não definiram data para coligação. “A bancada vai discutir”, disse Freire. “Sempre que nós estivemos juntos, fomos vitoriosos, e nós vamos avançar neste sentido. Vamos tentar discutir com nossos deputados e senadores a possibilidade de formar um bloco”, completou Lupi. De acordo com o presidente do PDT, a formação do bloco somente será definida após o pleito de outubro.

Apoios dependem do presidente

São Paulo (AG) – Vai depender da vontade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva fazer gravações ou participar de eventos que beneficiem os candidatos do PT que buscam a vinculação de suas campanhas com a imagem do presidente. Na sua passagem pelo Rio de Janeiro, sábado, por exemplo, não há qualquer evento programado com a participação do candidato do PT Jorge Bittar, que amarga um quarto lugar nas pesquisas de intenção de votos O presidente nacional do PT, José Genoíno, disse hoje que nada pode fazer para resolver o problema dos insatisfeitos com o fato de Lula não gravar ou participar de eventos com os candidatos, pois foi dele a decisão de participar das campanhas de Marta Suplicy, em São Paulo, e de João Paulo, em Recife.

No sábado, Lula participa do lançamento de um programa de alfabetização na sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan).

“No Rio , sábado, não tem nada combinado sobre um eventual encontro do Bittar com o Lula. Essas gravações, somente o presidente é quem decide. Isso é uma coisa dele. Foge da alçada do PT. A direção do partido não tem como chegar e dizer: Lula grave uma mensagem para esse ou aquele candidato”, disse Genoino.

O presidente do PT disse que não vê risco de uma decisão negativa do Ministério Público, que vai analisar representação do PSDB de José Serra, pedindo punição para o presidente Lula e Marta Suplicy, por causa da inauguração da Avenida Radial Leste com discurso e pedido de votos para a prefeita. “Não vejo problema nenhum não. Isto agora está no âmbito da Justiça. Vamos aguardar.”