São Paulo ? Os brasileiros são, em sua maioria, contrários ao voto obrigatório, revelou pesquisa realizada pelo Movimento Voto Consciente como parte de um estudo maior, sobre a participação social de sete países latino-americanos ? incluindo o Brasil. Os dados, colhidos em seis cidades brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Goiânia, Porto Alegre e Manaus), revelaram que 72% dos pesquisados não concordam com o voto obrigatório, contra 28% que aprovam.

Segundo o cientista político Humberto Dantas, conselheiro do Voto Consciente, há uma distorção sobre o verdadeiro sentido de voto obrigatório, o que causa rejeição nas pessoas. "Acho que existe uma questão delicada sobre o voto obrigatório. Primeiro, existe um entendimento de que o voto seja obrigatório quando, na verdade, obrigatório é o comparecimento do eleitor às sessões eleitorais. E, em segundo, nada indica que o comparecimento e o voto sejam determinados pela obrigatoriedade. O que falta mesmo é a questão educacional, entendermos melhor o que representa votar", justificou.

O levantamento revelou, ainda, que 71% dos entrevistados são indiferentes aos partidos políticos, enquanto 24% declararam que são simpatizantes e votam sempre no mesmo candidato ou partido e apenas 5% são filiados. Para Humberto Dantas, os dados comprovam a importância da reforma política. Ele acredita que o projeto em discussão no Congresso Nacional não resultará em bipartidarismo no Brasil.

"Não acredito que a tendência no Brasil seja do bipartidarismo. Acho que nós estamos caminhando no sentido de um entendimento dos congressistas sobre a reforma política para um sistema com um número menor de partidos ? alguma coisa em torno de cinco ou sete partidos ? mas, definitivamente, acho que o bipartidarismo não vinga no Brasil", afirmou.