Rio de Janeiro (AE) – A Polícia Federal (PF) pediu ontem a quebra dos sigilos bancário e fiscal dos suspeitos do furto de R$ 2 milhões apreendidos na Operação Caravelas, no dia 15 de setembro. O superintendente da Polícia Federal no Rio de Janeiro, delegado José Milton Rodrigues, não revelou o número de suspeitos, mas garantiu que tem ?95% de certeza sobre a autoria?. ?Se tivéssemos 100%, eles estariam presos. Temos evidências e queremos as provas materiais?, afirmou.

Entre as evidências que a PF já tem estão as impressões digitais de policiais que não deveriam ter passado pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) no dia em que o dinheiro foi furtado, escutas telefônicas e as contradições nos depoimentos tomados.

Os peritos também conseguiram ampliar as imagens das notas filmadas e fotografadas no dia da apreensão – foi possível revelar o número de série de 80 delas.