O embaixador Extraordinário do Brasil para Mudanças Climáticas, Sergio Serra, afirmou nesta sexta-feira (5) que o Plano de Ação Nacional de Enfrentamento das Mudanças Climáticas deve ficar pronto dentro de um ano e meio a dois anos. "De uma forma otimista, eu diria que o prazo seria de um ano e meio; realisticamente, em dois anos", disse.

Serra fez o comentário em palestra sobre o tema hoje, promovida pela Câmara Americana de Comércio. Quando questionado por jornalistas sobre a menção desse prazo para o plano, o embaixador foi mais cauteloso: "Talvez no final do ano que vem podemos ter o plano pronto", disse. Em sua palestra, ele comentou para platéia, composta por empresários e advogados, que "o plano não existe ainda, e podemos dizer que estamos atrasados". Ele observou que vários países já possuem esboço de planos sobre o tema, e o México, por exemplo, já tem o seu. "Aqui, embora tenhamos sugestões, a elaboração do plano está no estágio inicial", disse.

Porém, o embaixador comentou que o plano brasileiro já tem algumas questões conceituais definidas. Em primeiro lugar, será um plano nacional, em oposição a um plano federal; também será retirado do plano a palavra enfrentamento, "por razões que escapam ao meu entendimento", afirmou o ministro. Além disso, o embaixador informou ainda que o plano terá quatro eixos estratégicos principais: mitigação de emissão de gases que formam o efeito estufa, formas de adaptação, pesquisa e desenvolvimento, além de divulgação e capacitação das ações no âmbito do plano.