A Polícia Militar do Rio irá empregar 10.051 policiais no esquema especial de réveillon, dos quais 3.620 vão se concentrar na orla da capital. Do Leme ao Leblon, na zona sul, onde mais de dois milhões de pessoas deverão celebrar a passagem do ano, serão 2.482 PMs, conforme anunciado hoje pelo chefe do Estado Maior da corporação, coronel Samuel Dionízio. O coronel aproveitou para destacar os resultados da PM neste ano, que segundo ele, foram bastante positivos. "Este é um ano para se comemorar, pelo que nós produzimos. Tivemos a maior apreensão de cocaína dos últimos cinco anos", afirmou, sem revelar números. De cocaína, de acordo com a PM, foram oito toneladas, quase cinco vezes mais do que no ano passado.

Dionízio informou que dois helicópteros, duas lanchas, três duplas de cavalos e quatro cães serão usados durante o plantão, além de 123 carros e 70 motocicletas – sem contar com o policiamento comum. Serão montadas 28 plataformas, de onde os PMs poderão observar o movimento na orla. Uma novidade: os policiais que estiverem trabalhando em Copacabana irão se alimentar em ônibus-restaurantes que foram adquiridos por ocasião dos Jogos Pan-Americanos.

Hoje, a Capitania dos Portos vistoriou as oito balsas que abrigarão as 22 mil bombas de fogos de artifício destinadas à festa em Copacabana. Elas estão sendo preparadas num estaleiro e deverão ser deslocadas para a praia na segunda-feira, por volta da hora do almoço. A queima irá durar 16 minutos. Além da capital e de Niterói, terão reforço de policiais as cidades de Cabo Frio, na Região dos Lagos, e Angra dos Reis, na Costa Verde – locais que concentram número grande de veranistas. O complexo penitenciário de Bangu também foi incluído no esquema, assim como as favelas que já estão ocupadas. A mobilização começa amanhã e termina no dia 1º.