Rio – Terminado o prazo da prisão administrativa, 26 policiais militares do Grupamento Especial Tático Móvel (Getam), suspeitos de torturar e matar três adolescentes na semana passada, foram soltos ontem. Três dias após o crime, o secretário de Segurança Pública do RJ, Anthony Garotinho, havia determinado que os policiais ficassem presos no Batalhão de Choque da corporação, no centro. Perícia realizada nos sete carros usados pelos PMs no dia do assassinato revelou que em seis há material biológico que pode ser sangue das vítimas.