A Polícia Civil do Maranhão afirmou na manhã de hoje ter prendido o homem que matou o jornalista Décio Sá em um bar em São Luís em 23 de abril. Ainda segundo a polícia, parte dos membros do “consórcio de mandantes” do crime também foi presa.

As motivações do assassinato e os nomes dos mandantes serão divulgados ainda hoje, em coletiva de imprensa na sede da Segurança Pública do Estado. Os policiais cumpriram quatorze mandados de busca e apreensão, e oito mandados de prisão nas cidades maranhenses de São Luís, Santa Inês e Zé Doca e na cidade paraense de Capanema, em ação batizada de “Operação Detonando”.

Segundo o superintendente de Polícia Civil da Capital, Sebastião Uchoa, o “matador de aluguel” que efetuou os disparos é Jhonatan de Souza Silva, 24. Silva já havia sido preso cerca de 15 dias atrás, sob suspeita de tráfico de drogas. A polícia afirma que não divulgou antes sua prisão para não atrapalhar as investigações. No “consórcio de mandantes” do crime havia empresários e policiais. A polícia ainda não informou se havia a participação de políticos.

Suspeito morto

Um dos suspeitos de envolvimento na morte do jornalista, Valdênio José da Silva, 38, foi morto na madrugada de ontem dentro de sua casa, em Raposa, região metropolitana de São Luís. Silva chegou a ficar preso por um mês, suspeito de ter dado cobertura ao assassino do jornalista durante sua fuga. Depois, ele foi solto por falta de provas. A polícia disse que vai investigar se a morte de Silva tem ligação com o caso Décio.

O caso

Décio Sá foi morto a tiros em um bar na avenida Litorânea, na capital maranhense, na noite de 23 de abril. Repórter do jornal “O Estado do Maranhão”, Sá mantinha havia cinco anos um dos blogs mais acessados do Estado.