O diretor da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa, afirmou que o órgão abriu nesta segunda-feira (7) um inquérito para apurar o vazamento de dados com os gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Quem elaborou o documento, no entanto, ficará de fora das investigações, segundo Corrêa, que está em Portugal.

"O foco da investigação é o vazamento de dados, o que constitui um crime flagrante. A manipulação de dados no âmbito das repartições, enquanto não vazar, não é crime", afirmou Corrêa. O foco da investigação atende às expectativas da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Ela já havia manifestado que, se fosse inevitável convocar a PF, que o órgão investigasse apenas "o vazamento", sem tratar da elaboração do material.

Para Virgílio, decisão da PF sobre dossiê é "uma farsa"

O líder do PSDB no Senado, senador Arthur Virgílio (AM), afirmou hoje que a decisão da Polícia Federal (PF) de apurar apenas o vazamento dos gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e sua mulher, Ruth Cardoso, é "uma farsa" e que a opinião pública precisa saber quem fez o dossiê. "O governo está preocupado em saber quem viu o assassinato e não quem assassinou", afirmou o líder tucano. "O que é fato, é fato. Queremos investigar os cartões presidenciais e inclusive quem vazou. Mas, sobretudo, quem fez o dossiê. Investigar apenas o vazamento não satisfaz a nenhum analista de bom senso", completou