Dezenove pessoas já foram presas na manhã desta segunda-feira (7), durante a Operação Titanic, realizada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal (PF), contra uma quadrilha que atuava na importação subfaturada de automóveis e mercadorias de alto luxo.

Do total, 16 pessoas foram presas no Espírito Santo e outras três em São Paulo. Um dos investigados, um capixaba que está nos Estados Unidos, será preso pelo FBI (a Polícia Federal dos Estados Unidos) e deportado para o Brasil, segundo o MPF. A PF cumpre ainda 23 mandados de prisão temporária.

Só no último ano, a sonegação fiscal praticada pela organização criminosa resultou em um prejuízo aos cofres públicos de pelo menos R$ 7 milhões. As investigações revelaram que a fraude se dava com a participação de empresários brasileiros e estrangeiros, contadores, servidores públicos, advogados e corretores de câmbio. Empresas situadas nos Estados Unidos e no Canadá também contribuíram para que a fraude fosse efetivada.

Para escapar da fiscalização estatal, a quadrilha conseguiu vantagens ilícitas de servidores públicos, entre os quais estão quatro auditores fiscais da Receita Federal, três deles do Espírito Santo, e um servidor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).