A Polícia Civil de São Paulo divulgou o nome do deputado apontado como principal suspeito de articular um plano para assassinar o deputado federal Carlos Willian (PTC-MG): Mário de Oliveira (PSC), também deputado federal e presidente nacional da Igreja do Evangelho Quadrangular do Brasil. A trama, supostamente articulada por Oliveira, foi descoberta por acaso, com a prisão, por policiais de Osasco, de Odair da Silva, freqüentador da Quadrangular. Na última terça-feira, em depoimento no 7º Distrito Policial, Odair confessou que contratou por R$ 150 mil um pistoleiro conhecido como Alemão para executar Carlos Willian.

A intermediação, conforme o relatório policial, foi feita por Celso Braz do Nascimento, chefe de comunicação da igreja e assessor político de Oliveira. O inquérito foi remetido para o Supremo Tribunal Federal (STF), pois envolve dois parlamentares federais.

De acordo com as investigações policiais, de janeiro a abril Alemão esteve em Belo Horizonte diversas vezes estudando a rotina de Carlos Willian e "não matou a vítima por circunstância alheia à sua vontade", conforme o relatório. Uma nova tentativa ocorreria na última quinta-feira, na rodovia estadual que liga o Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na região metropolitana, à capital mineira. Mas Odair foi preso antes, frustrando o plano de homicídio.

Os policiais de Osasco apuravam um assassinato e receberam uma denúncia anônima indicando que Alemão seria o autor do atentado. Diante da informação de que ele estaria em um shopping de Barueri, realizaram uma diligência. O pistoleiro conseguiu fugir mas deixou para trás um cartão de memória contendo diversas gravações de conversas com Odair, que estava com ele e acabou preso.

Roubo

Com Odair foi encontrada cópia da carteira de habilitação de Marcos Régis de Moraes, o "Marquinhos", apontado como motorista do deputado Oliveira. Os policiais encontraram ainda anotações de placas de dois veículos (HDQ-0220 e HAQ-4904), "ambos cedidos pela assessoria do deputado Mário de Oliveira e usados por Odair quando em serviço em Belo Horizonte". Os automóveis estão cadastrados num dos endereços residenciais do deputado do PSC.

Segundo Odair, o motivo para o assassinato seria o fato de Willian ter "roubado" R$ 800 mil de Oliveira. O deputado alvo da tentativa de homicídio, conforme o contratante, teria também demitido e "humilhado" a mãe do parlamentar presidente da Igreja Quadrangular. Metade do valor acertado – R$ 75 mil – já teria sido paga. Procurado, o deputado federal Mário de Oliveira (PSC-MG) não foi localizado.