A Polícia Civil apresentou nesta sexta-feira, 16, as imagens de pelo menos 11 supostos líderes do grupo de manifestantes que depredaram a Câmara de Vereadores de Campinas, na noite de quarta-feira, 07, durante protesto por tarifa zero na cidade.

O delegado Hamilton Caviolla Filho, que investiga o caso, afirmou que os 138 manifestantes retirados pela Polícia Militar, depois de promoveram um quebra-quebra dentro do plenário, serão ouvidos. “Parte deles será enquadrado por danos ao patrimônio público e resistência”, afirmou o delegado. A pena pode chegar a cinco anos de prisão.

O delegado também afirmou que deve chamar os líderes de partidos que estavam com bandeiras durante o ato. No dia da manifestação, além de representantes de sindicatos e de estudantes, havia bandeiras do PSOL e do PSTU. “Vamos avaliar se todos serão enquadrados por resistência, já que tiveram que ser retirados pela polícia”, disse o delegado. Ele espera as fotos dos qualificados no dia do ato para cruzar com as imagens das câmeras internas de segurança que mostram os autores das depredações.

Foram quebrados cadeiras, mesas, sistema de som e imagem e a mesa diretora foi danificada. O presidente da Câmara, Campos Filho (DEM), afirmou que o prejuízo será judicialmente cobrado dos responsáveis, após o término do inquérito.

“Avaliamos que houve um prejuízo de cerca de R$ 50 mil. E vamos cobrar dos responsáveis. Bem como estamos apurando a participação de assessores parlamentares. Se ficar comprovado, ele será exonerado”, disse.