A Polícia Militar baiana anunciou, na manhã desta segunda-feira (2), o afastamento das atividades operacionais dos policiais envolvidos em um tumulto entre torcedores do Madre de Deus e do Fluminense de Feira de Santana, no domingo, durante jogo entre as equipes pelo Campeonato Baiano.

A partida foi realizada no Estádio Municipal de Madre de Deus, na Região Metropolitana de Salvador, e teve como placar final um empate por 2 a 2. De acordo com nota distribuída pelo comando da PM, foi determinada a “imediata apuração” dos incidentes, a cargo do tenente-coronel Sérgio Baqueiro, para “efeito de identificação de autoria, materialidade e imputação de responsabilidades”.

Segundo testemunhas, a confusão entre as torcidas, flagrada pelas câmeras da TV Bahia – retransmissora da Globo no Estado -, começou depois que um torcedor do Fluminense atirou um copo de cerveja no rosto de um integrante da torcida rival. Um policial, identificado como o tenente Anderson de Oliveira, tentou, sozinho, apartar os brigões. Sem sucesso, sacou sua arma e ameaçou os torcedores.

Em seguida, um outro homem, de bermuda e camiseta, ainda não identificado, também sacou uma arma de fogo. Quando o reforço policial chegou ao local da briga, os PMs passaram a agredir os torcedores. Oliveira chegou a chutar e a bater com um cassetete nas costas de um homem que caiu da arquibancada.

Três pessoas ficaram feridas durante a confusão. Duas foram atendidas no local com hematomas e escoriações, e liberadas em seguida. O homem agredido com o cassetete, identificado como Marco Antônio Xavier, chegou a desmaiar no estádio. Saiu carregado pelos próprios policiais e levado ao Hospital Municipal de Madre de Deus, onde foi medicado.

Segundo a direção do hospital, porém, ele se recusou a fazer exames para averiguar a gravidade das lesões e deixou o local depois de assinar um termo de responsabilidade.