Os policiais federais estão se mobilizando nacionalmente contra a proposta do presidente Fernando Henrique Cardoso de criar uma polícia federal militarizada. ?É uma proposta eleitoreira, inconstitucional e esdrúxula, que não vai resolver a questão da segurança pública?  afirmou hoje o presidente do Sindicato dos Policiais Federais de Pernambuco, Roberto Fernandes. De acordo com ele, ao encampar esta idéia, o candidato do governo à presidência da República, José Serra (PSDB), não avaliou que a iniciativa representa um retrocesso, está na contramão da história e pode levar a conseqüências extremamente danosas.

O sindicato realiza uma assembléia geral extraordinária nos próximos dias e poderá decretar greve, o que seria feito de forma simultânea em todo o País. Caso não obtenham êxito com a luta política, os policiais federais vão entrar com recurso no Supremo Tribunal Federal (STF) com o objetivo de derrubar uma eventual Medida Provisória (MP) criando a Polícia Federal Preventiva uniformizada.

O movimento está sendo coordenado pela Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) que encaminhou, ontem, comunicado a todos os Estados pregando ?luta e guerra total? contra a iniciativa. Na nota, a diretoria executiva da Fenapef chama de ?energúmenos? e de ?mentes tacanhas e atrasadas? os dirigentes do Departamento de Polícia Federal (DPF), que ajudaram a elaborar a proposta. Para Fernandes, a intenção dessa ?meia dúzia de delegados? é criar ?uma massa de manobra para se perpetuar no poder?.