O Brasil tem 183,88 milhões de habitantes, quase 2 milhões a menos do que indicavam as projeções feitas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pela contagem, cujo resultado ainda é preliminar. Em 1996, a população era de 156 milhões. Estimativas indicam que se for mantido o atual padrão reprodutivo (média de dois filhos por mulher), daqui a 50 anos a população deverá parar de crescer. Os resultados preliminares da contagem deste ano foram divulgados nesta sexta-feira (5).

A contagem mostrou que a população do País continua crescendo, mas o ritmo é menor do que nos últimos anos. "A fecundidade urbana continua caindo, mas verificamos queda também na área rural", disse o presidente do IBGE, Eduardo Pereira Nunes. Segundo projeções do IBGE, haverá crescimento populacional nos próximos 50 anos. A partir da década de 2060, haveria redução da população, se forem mantidos os padrões atuais. O IBGE estima que será de 260 milhões a população em 2060. Mas se a taxa de fecundidade não tivesse caído nas últimas décadas e fosse mantido o padrão de 1960, esta seria a população do Brasil hoje, disse Nunes.

O número ainda não é definitivo porque prefeitos de todo o País, de olho no Fundo de Participação dos Municípios (FPM), têm prazo de 20 dias para recorrer. "A apuração revela um contingente populacional inferior àquele que esperávamos encontrar: em torno de 2 milhões de pessoas não existentes, porque projetávamos a população com base em padrões reprodutivos da virada de 1990 para 2000", declarou Nunes.