Foz do Iguaçu (AE) – A alta no preço do combustível, sobretudo a gasolina, no Brasil, tem feito a alegria de proprietários de postos em Puerto Iguazu, na Argentina, divisa com Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. E desanimando os revendedores paranaenses, que vêem os fregueses diminuírem diariamente e ameaçam até um locaute, com o fechamento de postos.

As contas do Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis Minerais (Sindicombustíveis) são de que mensalmente deixam de ser vendidos mais de 2,8 milhões de litros nos 57 postos da região de fronteira.

De acordo com o diretor do Sindicombustíveis para a região oeste Walter Venson, o motorista brasileiro paga em média R$ 1,22 a menos por litro de gasolina em relação ao preço médio das bombas de Foz, que é de R$ 2,58.

As autoridades brasileiras têm controle apenas sobre o número de estrangeiros que ingressam no Brasil. No entanto, agentes da Polícia Federal confirmaram que, havendo reajuste no preço do combustível nacional, o reflexo é imediato no tráfego sobre a Ponte Tancredo Neves.

Para evitar maiores prejuízos para os comerciantes brasileiros, o Sindicombustíveis não descarta a possibilidade de realizar um locaute, com fechamento dos postos. ?Pode ser que daí chamaremos a atenção?, disse Venson.