Belo Horizonte – O prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel (PT), disse hoje que apóia e considera oportuna a proposta do prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB), de alterar o indexador da dívida das prefeituras. Pimentel, que é economista, repete os argumentos usados por Serra para defender a mudança do Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) – atualmente, usado na correção dos débitos e considerado bastante oneroso para os caixas das administrações municipais.

?Tem uma influência muito grande do câmbio dentro desse indexador. O ideal seria o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo, empregado para calcular a inflação). O Serra é um bom economista; sabe disso?, afirmou. Segundo o prefeito de Belo Horizonte, a mudança não terá tanto impacto na dívida do Poder Executivo municipal belo-horizontino com o governo federal, que ele considera ?muito pequena?. O débito acumulado, de acordo com Pimentel, é de cerca R$ 600 milhões, para um orçamento anual da ordem de R$ 2,1 bilhões.

?De qualquer forma, sempre é positiva a mudança do indexador porque alivia o nosso pagamento de prestações.? Para o prefeito, o debate em torno do assunto é ?oportuno?, tendo em vista o tamanho da dívida paulistana. ?São Paulo precisa; está numa situação muito difícil. A prefeitura está muito engessada. Não é bom para o Brasil que a maior cidade do País tenha esse tipo de dificuldade?, afirmou.

Com bom trânsito na administração federal, Pimentel disse que comentou o tema com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mas ressaltou que uma decisão sobre isso depende mesmo é da área econômica do Poder Executivo federal. ?Eu diria que não tem uma unidade (de posição). Nem contra, nem a favor. Tem receptividade para, pelo menos, examinar a questão, fazer as contas?, observou.

Anteontem, quem também fez comentários aprovando a idéia de José Serra sobre as dívidas com o governo federal, foi a ex-prefeita de São Paulo, Marta Suplicy.