Rio – O presidente do Conselho Federal de Enfermagem, Gilberto Linhares Teixeira, foi preso na madrugada de ontem, em Aracaju, acusado de crimes contra autarquias. Ele e a mulher, Hortência Linhares, que também foi presa em São Paulo, são suspeitos de chefiar uma quadrilha que envolve funcionários do conselho em cinco estados: Rio de Janeiro, Goiás, Piauí, Sergipe e Alagoas. A prisão faz parte da Operação Predador, deflagrada ontem pela Polícia Federal, depois de investigações realizadas a partir de um inquérito de 1998, da Delegacia Fazendária. De acordo com o delegado José Mariano, do Grupo Missão Suporte, que coordena a operação, os acusados causaram um prejuízo da ordem de R$ 50 milhões aos cofres públicos. No Rio, os agentes cumpriram 19 mandados de prisão e 20 de busca e apreensão. Os policiais compareceram à sede do Conselho Federal de Enfermagem, no bairro da Glória, apreendendo documentos e computadores. O delegado José Mariano informou que as investigações concluíram que o patrimônio de Gilberto Linhares Teixeira é incompatível com seus rendimentos.