O Ministério da Saúde confirmou, na manhã desta sexta-feira (29) a primeira morte no Brasil causada pela varíola do macaco. Trata-se de um morador de Uberlândia, em Minas Gerais, de 45 anos de idade portador de comorbidades e imunossuprimido.

Até esta quinta (28), o Brasil já registrava 1.066 diagnósticos confirmados da doença, conforme o Ministério da Saúde. A pasta também anunciou a criação de um comitê de emergência para a varíola dos macacos.

Além do óbito causa pela Monkeypox no Brasil. ainda nesta semana, o estado de São Paulo confirmou três casos da varíola dos macacos em crianças.

A doença é disseminada principalmente ao tocar as lesões na pele que os pacientes apresentam. No surto atual, pesquisas já mostram que a propagação da doença ocorre durante atividades sexuais.

A principal forma de prevenção é o isolamento de pacientes com a monkeypox para evitar que outras pessoas tenham contato com os doentes. A vacinação em grupos prioritários e em pessoas que tiveram contato recente com os doentes também são medidas importantes para se proteger da doença.

Até o momento, o Brasil não conta com os imunizantes. O país, por meio da Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), espera conseguir as vacinas com a finalidade de vacinar grupos de maior risco, como profissionais da saúde que têm contato direto com o vírus.

Varíola dos Macacos no Paraná

Curitiba registra 21 casos confirmados da varíola causada pelo vírus monkeypox até esta quarta-feira (27). São 20 homens e uma mulher e todos passam bem. Do total de casos, 16 são importados ou contatos de viajantes e em cinco casos não foi possível determinar vínculo relacionado a viagem. Com isso, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba declarou a transmissão comunitária do vírus da monkeypox no município.