Brasília

  – O vice-líder do governo no Senado, Romero Jucá (PSDB-RR), admitiu ontem a possibilidade de o PSDB e o PFL virem a obstruir a votação do projeto do Orçamento Geral da União para 2003. Os dois partidos, segundo ele, impõem uma condição para votar os projetos. As legendas querem que sejam previstos recursos para cobrir os custos decorrentes do reajuste do salário mínimo para R$ 240,00. Ele disse que há recursos suficientes para adoção desse valor. Segundo Jucá, já haveria R$ 3,8 bilhões de recursos vinculados à Seguridade Social que poderiam ser usados para cobrir as despesas com o reajuste do mínimo.

Desse total, segundo Jucá, R$ 1 bilhão proviria do aumento da arrecadação do INSS com o reajuste do mínimo; outro R$ 1 bilhão, da manutenção da alíquota de 9% da Contribuição sobre o Lucro Líquido (CSLL) e o restante, que ele calcula em torno de R$ 2 bilhões, seria proveniente do aumento da arrecadação causado pela alta da inflação. “Em vez de dar um cheque em branco de R$ 3,8 bilhões ao governo Lula, que estarão previstos na Reserva de Contingência, é melhor assegurar que esses R$ 3,8 bilhões fiquem para cobrir despesas do salário mínimo. É mais justo e mais decente”, afirmou Romero Jucá.