Belo Horizonte (AE) – O forte nevoeiro na região pode ter sido a causa do acidente com o avião Bandeirante, de propriedade da empresa ALL Place Participe, de São Caetano do Sul, que caiu em cima de três casas no Conjunto Pontal, bairro de classe média da cidade de Uberaba, no Triângulo Mineiro. O acidente, que aconteceu hoje por volta de 5h30, deixou três mortos: o piloto Gerson Garcia Amaral, 47 anos, o co-piloto Gilson Carlos Gisoldi, 28 anos, e Paulo Sebastião dos Santos, de 41 anos, morador de uma das casas. Todos morreram carbonizados no local.

Conforme a Infraero, a aeronave, que tinha partido do aeroporto de Guarulhos, na madrugada de sábado, com destino a Uberaba, prestava serviço para a Total Linhas Aéreas e transportava malotes dos Correios. Porém, a cerca de dois quilômetros do Aeroporto Mário Franco, em Uberaba, caiu sobre três casas. A primeira estava vazia, pois os moradores haviam saído de viagem no dia anterior. A segunda estava ocupada por um casal e uma adolescente. A esposa e a filha de Paulo Sebastião dos Santos, que estavam em casa na hora do acidente, escaparam sem ferimentos. O muro da terceira casa foi atingido superficialmente pela asa da aeronave.

Segundo moradores, houve uma grande explosão, após o choque do avião com as residências. "Só vi que tinha acontecido alguma coisa depois que ouvi uma grande explosão", disse o aposentado Sebastião Venâncio, vizinho das casas atingidas. As chamas, que se alastraram pelas duas casas mais atingidas, foram controladas rapidamente pelos homens do Corpo de Bombeiros de Uberaba que isolaram o local. Peritos do Departamento de Aviação Civil (DAC) foram enviados para a região. Porém, o DAC não informou quando irá divulgar o laudo com as causas do acidente.